TPA Parte II – Projeto de cobrança de taxa é analisada pelos vereadores

 

Por Cristiane Toschi

Mais de 150 pessoas compareceram à sessão da Câmara de Vereadores na noite desta segunda-feira, dia 7 de novembro, para acompanharem o andamento do Projeto de Lei nº 53/2016 que deve instituir a cobrança de taxa de entrada aos visitantes – a TPA (Taxa de Preservação Ambiental). O Projeto de Lei esta em análise dos vereadores municipais e a próxima sessão esta agendada para segunda, dia 14/11.

Em um discurso inflamado, Caroline Batistoti (PMDB) expôs sua opinião sobre o projeto e acredita que uma Audiência Pública será a melhor forma de ouvir a população. “Como implantar u

tpa_parte-iiam projeto dessa magnitude e polêmico sem ao menos ter um estudo de impactos sociais e econômicos; uma avaliação se haverá aumento no índice de desemprego; sem consulta pública”, questiona (leia a publicação TPA – Parte I).

O morador de Biguaçu Raphael Martins também falou sua opinião na tribuna. “Governador Celso Ramos é a pérola no Estado em questão do turismo e precisa ser incentivado. Essa proposta não dá oportunidade a todos. As famílias que ganham pouco encontram nas praias daqui sua única alternativa de lazer. Tudo bem que muitas pessoas deixam sua sujeira, mas isso não se resolve com taxa e sim com fiscalização e multas altas. Venho para clamar senhores vereadores, não deixem passar essa proposta porque ela não representa, não atende a todos, é inconstitucional e a população não quer”.

A moradora de Areias do Meio, Ducilene Correia também é contra ao projeto. “Não aceito que cobrem uma taxa para as pessoas entrarem na cidade que vivemos. Queremos mais é que os visitantes venham e gastem por aqui. Isso porque eles só vêm nas temporadas de verão. Nós já pagamos muitos impostos, além das taxas de coleta de lixo, de esgoto e IPTU. Sou contra”.

Moradores também são a favor ao projeto

Uma parte da população é a favor da cobrança da taxa ou ainda não tem opinião formada. A moradora de Ganchos do Meio Ana Carolina argumenta que o município precisa, entre alguns projetos, fazer o tratamento do esgoto. “Nossas praias são lindas e precisam ser mantidas assim. Em Calheiros, por exemplo, é uma praia linda, mas na temporada e em muitos finais de semana é impossível visitar. Tem pessoas que fazem até churrasco e deixam o lixo por lá. Outra questão é com relação a água. Nós temos água em abundância, porém, precisa ser instalado um sistema melhor de armazenamento. Com a cobrança da taxa todos os investimentos nessas e em outras áreas serão realizados. Sou a favor do projeto da taxa porque tenho certeza que vai beneficiar nosso município e aos moradores”.

Para o ex-bombeiro e morador da Fazenda da Armação Osnildo Olavo Porto o projeto deve ser melhor discutido. “Não tenho uma opinião ainda, estou participando do processo para entender melhor e conhecer os detalhes do projeto. Participarei de todas as sessões e opinarei quando necessário”.

Os vereadores municipais não querem opinar ainda sobre o polêmico projeto de lei, por isso estão analisando o mesmo.

Comments

  • José Luiz Piazza

    novembro 8, 2016

    Sou frequentador assíduo da Praia de Palmas do Arvoredo e, em sendo aprovado o mencionado projeto, o qual deploro, pretendo veranear e investir em outra praia em que não seja cobrada . taxa de acesso.

    Replay
  • Maicon José Mendes

    novembro 15, 2016

    Moro em Florianópolis e tenho imóvel na Praia Grande a 20 e sempre zelei pela limpeza e organização da praia e cobro disso dos meus amigos e familiares que me visitam e veem aproveitar a praia e o carnaval, e agora para isso acontecer teremos que se pagar ainda mais a prefeitura. Entendo que a prefeitura não possui recursos suficientes para administrar a cidade como deveria na temporada, mas isso não é culpa minha e nem dos meus visitantes, é por incompetência de quem administra e acha que é essa a solução, isso ao meu ver é jogar a responsabilidade para os outros, é não conseguir cuidar da cidade. É fácil ver o quanto o comercio local vai sofrer caso isso aconteça, gente que se prepara o ano todo para sobreviver com o lucro da temporada, o quão complicado para algumas pessoas que tem parentes na cidade ter que pagar para ver seu familiar. Milhares de pessoas deixarão de visitar a cidade, gente que trás recursos para toda população e a própria prefeitura. Isso vai espantar o turista. Sinto-me envergonhado em convidar alguém a me visitar e alguém cobrar por isso. Não tenho nada contra o Sr Prefeito, mas sim contra seu meios administrativos. Dinheiro a mais é sempre bem vindo para realizar melhorias, mas existem outras maneiras de fazer isso.

    Replay
  • Raphael Martins

    novembro 17, 2016

    Olá,
    Por primeiro, gostaria de fazer uma retificação, pois meu nome é Raphael Martins, e não Rafael, como antes mencionado.
    Sou contra a TPA, eis que não oportuniza, principalmente as famílias mais pobres o direito de ir e vir na cidade, bem como seu lazer, ambos direitos sagrados por nossa constituição.
    Além de infringir direito, a proposta tratá péssimos impactos para a região na economia, turismo e, principalmente, sociais.
    TPA não é ferramenta para se selecionar turista, tampouco para engordar os cofres da prefeitura.
    Mais informações, no meu perfil no Facebook.
    Grato pelo apoio de todos.

    Replay

Deixe uma resposta

Você pode gostar também