Onde guardas teus sonhos?

Por Suzi Aguiar

Hoje os meus sonhos cabem folgadamente na gaveta do criado-mudo. Guardados pertinho do meu coração! Mas já ocuparam toda a sala de estar. Apertadinhos como se estivessem num dia de grande festa ou como sardinhas em lata. Aí você, caro leitor, pode me perguntar: O que houve então? Por que agora cabem apenas numa gavetinha? E eu preciso parar para pensar e responder.

Eram muitos, alguns acalentados desde a infância. Alguns realizei com maestria, alguns com menos pompa. E houve aqueles que ficaram esquecidos de tão insignificantes que eram. Outros deixei de lado porque perderam o sentido ou a importância.

Guardá-los na gaveta é minha nova estratégia. Ela fora adquirida como fruto da maturidade, período da vida onde já não cabem mais superficialidades. A gaveta fora arrumadinha com cuidado, já que nela pouco cabe. E de tempos em tempos a revisito pois não posso retê-los ali indefinidamente. E assim, corro atrás de realizá-los logo pra puder sonhar outros sonhos, alçar outros voos.

Enquanto guardava-os na grande sala deixava-os desorganizados, sem nenhuma hierarquia. E eram tantos que até podiam ficar escondidos num cantinho passando despercebidos por longo tempo. Alguns se perderam nas frestas do assoalho da vida, outros foram mofando até ficarem irreconhecíveis, e tinham aqueles vazios de essência, que por isso, foram esquecidos.

Mas com a chegada da maturidade a faxina na sala fora necessária. Ninguém chega nesta fase da vida impune. Um determinado dia você acorda e, do nada, se vê cansada de correr atrás de sonhos bobos e passa a ser mais seleta. Foi numa noite de virada de ano que a magia aconteceu e aí percebi que sem priorizá-los não os buscava de verdade.

Para minha surpresa ao organizar o caos encontrei sonhos que não eram sonhos, mas apenas desejos inócuos, vontades bobas. Mexi e remexi em cada cantinho da grande sala e fui classificando-os com cuidado. Nesta seleção inevitavelmente precisei rever conceitos, sentimentos, atitudes. Pude constatar que muito em mim havia mudado, que a vida fora dura em alguns momentos, mas que justamente eles me fizeram mais humana e assim, os sonhos foram se modificando. Mas há ainda o que se buscar.

Ali, sentada no chão da minha essência, me vi recolher juntando apenas um punhadinho de sonhos que quero realizar. Eles são claros, límpidos e palpáveis! E estou disposta a vivê-los!

Boralá! Faz uma faxina aí!

Comments

  • Maria Luiza de Melo

    novembro 18, 2018

    Que lindo Suzi
    Que mania que temos de ficar acumulando sonho.
    Bom mesmo é quando caimos em si e conseguimos fazer uma faxina das boas mesmo, e virmos como acumulamos lixo e não sonhos e partimos a realizar os verdadeiros sonhos.

    Replay
  • Valéria Bleyer Zanette Furtado

    novembro 18, 2018

    Lindo! Lindo texto, uma verdadeira reflexão. Parabéns!

    Replay
  • Saulo de Tarso Aguiar

    novembro 18, 2018

    Que show ! Grandes sonhos de infância ou adolescência, ao longo da corrida da vida da mulher, mãe, professora, aluna, dona de casa! Na busca do sustento e educação dos filhos,deixam de ser prioridades. Mas são nossos sonhos, e devemos sim um dia tirar do baú, realinhar, numerar, nortear na sequência de importância! Porque de certa forma tiveram muita importância um dia! Principalmente os sonhos que sonhamos juntos! Seus textos são sempre inspiradores! Me fazem pensar, reviver, sonhar com novos rumos, sentidos!

    Replay
    • Suzi

      novembro 21, 2018

      Obrigada, Saulo!

      Escrever só faz sentido quando falamos ao coração do leitor!!

      Replay
  • Suzi

    novembro 19, 2018

    Obrigada, Maria Luiza e Valéria!

    Replay
  • Fernanda Zanon

    novembro 20, 2018

    Lindo, Suzi.
    É bem assim, as prioridades vão mudando e os sonhos também. Esse é o sentido da nossa evolução. Parabéns, adorei😘

    Replay
    • Suzi

      novembro 21, 2018

      Obrigada, Saulo e Fernanda!

      Escrever só faz sentido quando falamos ao coração do leitor!!

      Replay

Deixe uma resposta

Você pode gostar também