Afogamento – Mesmo com ato heroico ocorrência acaba em óbito

Por volta das 15h30 do dia 10 de janeiro, última quinta-feira, o soldado do Corpo de Bombeiros de Santa Catarina, Estevão Marques estava de folga e decidiu ir até a praia do Sissial, perto de Palmas, em Governador Celso Ramos, para observar se as ondas estavam propícias para a prática de surf. Chegando lá se deparou com uma movimentação de pessoas já que um banhista estava se afogando. O bombeiro não pensou duas vezes e tentou salvar a vítima, Ivanir Ernesto Pereira, de 51 anos, que veio a falecer no local.

Soldado Marques não estava trabalhando, por este motivo não obtinha nenhum equipamento de salvamento como boias, e também não estava com sua prancha de surf. Mesmo assim, sem pensar nas consequências, se jogou ao mar para tentar salvar o homem. “Assim que cheguei na praia do Sissial tinha um menino com telefone na mão ligando para o Corpo de Bombeiros. O mar estava muito grande e não dava pra avistar nada, peguei o telefone do menino e falei com o atendente do bombeiro. Me identifiquei, falei do afogamento e que não conseguia visualizar a pessoa. Pedi que mandassem um jet sky para ajudar. Não podia esperar, fui entrando, passei a arrebentação e consegui visualizar o braço e nadei até ele. Fiquei uns 30 minutos para tirá-lo da água, quando cheguei perto da areia o pessoal começou a ajudar a tirar ele da água. Neste momento já havia chegado o sargento Aurélio para me auxiliar e começamos a fazer manobras de Ressuscitação Cárdio Pulmonar (RCP) por uns 15 minutos. Logo veio o apoio do helicóptero Águia da Polícia Militar com a equipe médica porque o helicóptero Arcanjo estava em outra ocorrência. Ficamos ali uma hora e meia mais ou menos, mas não tivemos êxito. Foi bem difícil tirar ele da água, foi bem pesado mesmo. A dificuldade de resgate é que estava sem nenhum equipamento, sem boia, só na cara e na coragem. Infelizmente não conseguimos trazer ele de volta, fizemos o possível, foi uma fatalidade”, comenta o soldado Marques.

Orientações aos banhistas

O comandante do Corpo de Bombeiros de Biguaçu, o tenente Victor, repassa algumas orientações aos banhistas. “Sempre procurem uma praia que tenha guarda-vidas. No município de Governador Celso Ramos, por exemplo, possuem postos guarda-vidas nas seguintes praias: Calheiros, Palmas, Grande e Tinguá. Mesmo havendo guarda-vidas, os banhistas devem respeitar a sinalização. Bandeiras indicativas de lugares perigosos com a cor vermelha são para realmente avisar que tem uma corrente de retorno e que, muito provavelmente, se o turista entrar ali vai ser arrastado para o fundo do mar. Caso não tenha uma boa habilidade, e as vezes até quem tem, dificilmente vai conseguir sair dali. Outra dica é para se banharem com a água até a linha da cintura para evitar afogamentos”, sugere o tenente.

Comment

  • William Wollinger Brenuvida

    janeiro 12, 2019

    No mesmo dia (10/1), na parte da manhã, presenciei o salvamento pelo Guarda Vidas Gabriel, de uma menina, adolescente, na Praia Grande. Apesar da sinalização, muitos banhistas desrespeitam as orientações do Corpo de Bombeiros. Felizmente, a menina foi salva. Após o salvamento, ela me disse: “-Moço, o mar estava tão calmo.”. Eu respondi a adolescente dizendo que a Praia Grande, por exemplo, é de mar grosso. E que se não sabemos nadar devemos observar a orientação dos Guarda Vidas, e não ultrapassar os limites de segurança. Registro aqui que o Corpo de Bombeiros de Governador Celso Ramos vem realizando um excelente trabalho.
    Quanto ao ocorrido no Sissial, aponto que é uma praia belíssima, mas muito perigosa após às 11:00 horas da manhã. Há muito repuxo (marés de retorno), e como é isolada, praticamente deserta, não há Guarda Vidas lá.

    Replay

Deixe uma resposta

Você pode gostar também