APA de Anhatomirim completa 27 anos de proteção aos golfinhos

Criada em 20 de maio de 1992, através do Decreto Federal nº 528, a APA de Anhatomirim é uma unidade de conservação federal de uso sustentável que tem como objetivo assegurar a proteção de uma população residente de golfinho-cinza (Sotalia Guianensis), a sua área de alimentação e reprodução, bem como de remanescentes da Floresta Pluvial Atlântica e fontes hídricas de relevante interesse para a sobrevivência das comunidades de pescadores artesanais da região.

Localizada no litoral do Estado de Santa Catarina, no município de Governador Celso Ramos, a APA de Anhatomirim possui uma área de 4.612 hectares, sendo 2.648 hectares em área de marinha e 1.964 hectares em área terrestre. Nos últimos anos biólogos, pesquisadores, protetores, professores, alunos e outros interessados desenvolvem trabalhos que visam proteger esses animais e o que vive em sua volta.  

O golfinho-cinza, também conhecido como boto-cinza, golfinho comum e boto da majuba, é um dos menores golfinhos existentes. Possui a nadadeira dorsal triangular e baixa, o dorso cinza claro e o ventre rosado. Os filhotes nascem com cerca de um metro de comprimento e quando adultos podem chegar a pouco mais de dois metros.

O golfinho-cinza vive em grupos e em áreas costeiras, principalmente em estuários e baías protegidas. Sua alimentação inclui peixes, lulas e crustáceos. A espécie é encontrada apenas na costa leste da América Latina, desde a Nicarágua até o sul do litoral brasileiro. O limite sul da distribuição geográfica do golfinho-cinza é a Baía Norte do Estado de Santa Catarina, onde reside uma população de cerca de oitenta golfinhos, os quais são o principal objetivo de criação da APA de Anhatomirim.

GOLFINHOS EM PERIGO!

A destruição do ambiente onde vivem os golfinhos representa grande ameaça à sobrevivência destes animais. A alteração e destruição de manguezais estuários e baías afetam a vida de camarões, peixes, aves e também dos golfinhos. O despejo de esgoto, óleos, agrotóxicos e lixo pode ocasionar o aparecimento de doenças nos golfinhos e até mesmo sua morte. Golfinhos já foram encontrados mortos por terem engolido plástico.
O tráfego descontrolado de embarcações e o desrespeito às normas que protegem os golfinhos faz com que estes animais abandonem as áreas onde vivem. O casco e hélices das embarcações podem causar ferimentos sérios e até mesmo a morte de golfinhos e baleias.
A pesca e a maricultura sem controle também podem prejudicar os golfinhos. A captura incidental em redes de pesca é a maior ameaça e causa a morte de milhares de golfinhos a cada ano.

O boto-cinza é listado pelo Ministério do Meio Ambiente como espécie ameaçada e tem status de espécie vulnerável na Lista da Fauna Brasileira de Espécies Ameaçadas de Extinção.

RESULTADOS ESPERADOS

Sendo a educação ambiental a base das ações, acredita-se que ela seja uma ferramenta para o reconhecimento do indivíduo como ser integrante do meio, identificando os problemas ambientais de forma a compreender sua  responsabilidade em relação as suas ações tornando-o capaz de mudar hábitos e contribuindo para a transformação da sociedade em longo prazo.

Portanto, falar sobre Educação Ambiental é falar sobre educação acrescentando uma nova dimensão: a dimensão ambiental, contextualizada e adaptada à realidade interdisciplinar, vinculada aos temas ambientais e globais.

 

 

Deixe uma resposta

Você pode gostar também